O propósito de Deus

Este terceiro vídeo apresenta a primeira mensagem do Senhor através do profeta Haggai. Esta primeira mensagem é um chamado ao povo para considerar seus caminhos e o estado da casa do Senhor. Olhando os dois primeiros versículos, veremos qual era o propósito de Deus para seu povo, e para nós hoje.

Ageu 1:1-2

Abordemos agora o capítulo 1, a primeira mensagem do Senhor por meio do profeta Ageu. Ela é um chamado ao povo para considerar seus caminhos e o estado da casa do Senhor.

Uma mudança importante

Já notamos no primeiro versículo que essa primeira mensagem de Ageu foi pronunciada no ano 520 antes de Cristo. Mais especificamente, no primeiro dia do sexto mês, que era o mês de Elul. Este mês se estende por nossos meses de agosto e setembro.

Desde o primeiro versículo notamos uma mudança de estado significativa para o povo: não havia mais um rei em Israel, e Zorobabel era um mero governador em Judá. Toda a realeza foi posta de lado, e a autoridade foi dada aos reis das nações. Isso é o que o Senhor Jesus chamou de “os tempos dos gentios” (Lucas 21:24). Assim, Israel já não era soberano na sua terra — ou melhor, na terra que o Senhor lhes tinha dado. Os israelitas tinham agora de se submeter à autoridade de um governante estrangeiro.

As coisas não eram mais como antes e não voltariam a ser como antes. Vemos na Palavra que, após o fracasso do homem, Deus não devolve o que foi, mas concede algo diferente. Para o povo na época de Ageu, o grande acontecimento esperado era a vinda do Messias (2:7).

O mesmo vale para nós. As coisas mudaram desde os tempos dos apóstolos, e o testemunho cristão não voltará a ser o que era no início. Mas se tudo mudou, o Senhor permanece o mesmo. Não desejemos que as coisas sejam "como nos bons velhos tempos", mas sim, olhemos com fé para o Senhor e caminhemos fielmente perante Ele!

Ageu 1:2

Agora vejamos o versículo 2.

“Assim fala o SENHOR dos Exércitos, dizendo: Este povo diz: Não veio ainda o tempo, o tempo em que a casa do SENHOR deve ser edificada.”

O SENHOR dos Exércitos dirige-se ao Seu povo.

O nome de Deus como SENHOR dos Exércitos aparece pela primeira vez no início do primeiro livro de Samuel, onde o contexto é o mesmo que no livro dos Juízes: "cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos" (Juízes 21:25). O povo tinha-se tornado corrupto, e estava fraco e decaído. À parte a corrupção, a semelhança com o estado do povo na época de Ageu é notável: fraqueza e decadência.

Não vemos também este estado hoje? Tal como o fermento colocado na massa para a fazer crescer, todo o tipo de mal foi introduzido no cristianismo. Há sistemas organizados por homens, mestres falsos, ensinamentos que são contrários à sã doutrina, e até ensinamentos de demônios, como escreveu o apóstolo Paulo: "Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios" (1 Timóteo 4:1). E por causa disso, muito mal é tolerado e até mesmo praticado. Várias parábolas do Senhor Jesus em Mateus 13 sublinham esse desenvolvimento do mal no testemunho cristão.

Mas isso não é tudo: há também fraqueza entre aqueles que são verdadeiros filhos de Deus, por falta de conhecimento e por falta de piedade. O povo de Deus está em um estado triste e decaído, embora queira dar a impressão do contrário, como disse a assembleia de Laodiceia: “Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta”. Mas o Senhor Jesus precisa responder: “não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu” (Ap. 3:17). Externamente, tudo parecia prosperar! Mas onde estava o Senhor? Ele estava à porta, batendo.

Esta é a situação em que nos encontramos. As coisas estão indo mal, o nome de Cristo é desonrado, e a verdade é posta de lado. A pessoa de Cristo é rejeitada não só neste mundo, mas também pelos que reivindicam Seu nome. Por exemplo, ao não mais obedecê-Lo como Senhor. Ou negando Sua divindade, ou Sua encarnação, ou que Ele é o Filho eterno do Pai, ou qualquer outra verdade a respeito de Sua pessoa bendita. Há uma oposição contra o verdadeiro conhecimento de Deus, que é através de Jesus Cristo, dentro da cristandade e no mundo.

Assim, quando comparamos o estado do povo na época de Ageu com o nosso próprio estado hoje, vemos que a mensagem de Ageu é muito relevante.

Mas mesmo em uma época como esta, o Senhor ainda deseja falar conosco.

E isto é o que vemos no início do versículo 2: "Assim fala o SENHOR dos Exércitos".

Deus agora falará a Seu povo como o Senhor dos Exércitos, ou seja, como um grande Rei com um grande exército para realizar Seus projetos, Seu propósito determinado. O domínio de Deus está sobre todas as coisas. Se há uma multidão de anjos que O servem fielmente, os povos e as nações também estão em Suas mãos. De fato, lemos em Provérbios que "Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer" (Provérbios 21:1).

Desse modo, "o SENHOR Deus dos céus" (Esdras 1:2) tinha um objetivo específico quando permitiu que seu povo retornasse a Jerusalém pelo decreto de Ciro. E agora ele falará com seu povo para levá-los a uma compreensão clara de Seus pensamentos e para encorajá-los a cumprir Seu propósito.

Temos uma boa compreensão do que Deus está fazendo hoje, de qual é Seu propósito? Depois de Sua ressurreição, o Senhor Jesus disse a seus discípulos: “Paz seja convosco; assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós” (João 20:21). Se fomos salvos — ao crer em Cristo e em Sua obra na cruz — apenas para nos tornarmos adoradores, então por que o Senhor não nos leva imediatamente à Sua presença no céu? Adoraríamos muito melhor no céu do que aqui, quando ainda estamos na carne com esta velha natureza caída. Mas aqui não se trata mais de nós, mas de Cristo, em torno de quem gravita todo o propósito de Deus. E estamos aqui para dar testemunho Dele e aprender com Ele, e indiretamente para aprender mais sobre nós mesmos e o quanto fomos perdoados e amados. O fato de que ainda estamos aqui na Terra, e que o Senhor nos enviou, nos mostra que Deus ainda trabalha, até agora, para construir Sua Assembleia.

Ainda que o altar tivesse sido colocado “sobre as suas bases” (Esdras 3:3) — o que nos fala de adoração e serviço de acordo com o pensamento de Deus, um assunto muito importante —, isso não era tudo. A seguir é necessária a construção da casa. Sim, primeiro o altar, mas depois a construção da casa.

Como membros do corpo de Cristo, todos temos um papel ativo a desempenhar na obra de Deus. Mas se olharmos ao nosso redor — para a iniqüidade que se pratica ou para as seduções desta era —, então corremos o risco não só de esquecer o propósito de Deus, mas de chegar às mesmas conclusões que o povo de Israel na época de Ageu, e de nos comportarmos da mesma maneira.

Em resumo

Os tempos mudaram desde os Atos dos Apóstolos, e o mal se espalhou no testemunho cristão. As coisas não voltarão a ser como eram no início, mas o Senhor permanece o mesmo e está trabalhando para construir Sua Assembleia até que Ele nos chame para Si mesmo. Neste meio tempo, Ele deseja que compreendamos Seu propósito e que não nos deixemos desencorajar pela iniquidade, ou nos deixemos adormecer pelas atrações do mundo, mas que andemos de acordo com Seu propósito, pois também fomos “chamados segundo o Seu propósito” (Romanos 8:28).

Anterior Próximo